Quando a bipolaridade se confunde com depressão


Tratamento incorreto pode agravar os sintomas e piorar o quadro do portador de bipolaridade

Uma situação bastante comum para as pessoas que sofrem com a bipolaridade é serem erroneamente diagnosticados com depressão. A bipolaridade é definida como drásticas oscilações de humor que variam entre momentos de euforia, com comportamentos agitados, impulsivos e de irritação, e episódios de depressão, quando se sentem profundamente tristes, sem esperança, com sentimento de morte e podem acabar tentando o suicídio. Por isso, tanto os portadores quanto os médicos tendem a encontrar grandes dificuldades para identificar o transtorno bipolar e diferenciá-lo da depressão, já que muitas vezes, é durante a fase da depressão que o indivíduo busca auxílio médico.

Segundo o psiquiatra José Alberto Del Porto, uma das características que mais pode causar confusão entre essas duas doenças é o fato que, as fases de depressão do transtorno bipolar atingem mais as pessoas do que os episódios de euforia. Além disso, tratar a bipolaridade com medicamentos de depressão comuns pode intensificar ainda mais os sintomas da fase eufórica maníaca, agravar o quadro e, por consequência, piorar a qualidade de vida do indivíduo de forma significativa.

“Ao ser diagnosticado com depressão e tratado com antidepressivos comuns, o portador que sofre com a bipolaridade, geralmente, apresenta aumento nas fases de euforia, agravando muito o problema. Por isso, o médico e o indivíduo devem estar atentos ao diagnóstico e à possibilidade da necessidade de tratá-lo com medicamentos específicos para a depressão bipolar, caso seja o adequado”, completa o psiquiatra.

A depressão bipolar pode demorar até dez anos para ser diagnosticada. Geralmente, os sintomas tendem a surgir entre os quinze e vinte anos de idade, mas podem se manifestar em qualquer fase da vida, trazendo graves prejuízos no trabalho, aos estudos, à família e à vida social.

De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o transtorno bipolar é bastante comum e afeta cerca de 2% dos brasileiros. Além disso, essa condição é o transtorno mental que mais tem associação ao suicídio e ainda segundo a ABP, 15% dos indivíduos acabam tirando a própria vida.

“Para diferenciar os sintomas da depressão bipolar é preciso estar atento, principalmente, na mudança de fases do portador e tentar identificar que os momentos de euforia fazem parte do diagnóstico e não confundir com uma falsa melhora de um quadro depressivo”, finaliza o médico.

Referências:

ABP – Associação Brasileira de Psiquiatria